10/08/2018 - 21h43

[PRÉVIA] NFL Power Ranking 2018 The Playoffs: #30 Tampa Bay Buccaneers

Sem Jameis Winston nas três primeiras partidas, os Bucs buscam um rumo na NFL

TAMPA, FL - SEPTEMBER 17: Wide receiver Mike Evans #13 of the Tampa Bay Buccaneers celebrates in the end zone after his 13-yard touchdown reception from quarterback Jameis Winston during the first quarter of an NFL football game on September 17, 2017 at Raymond James Stadium in Tampa, Florida.A chegada da temporada regular da NFL se aproxima cada vez mais. Um momento de alegria e êxtase para os fãs de futebol americano no mundo todo e, é claro, no Brasil. Aos torcedores brasileiros do Tampa Bay Buccaneers, esta é a oportunidade de saber mais sobre a franquia e quais as pretensões para a temporada.

Quando se fala dos Buccaneers na NFL o questionamento que fica é: até onde pode chegar essa equipe? Parece que sempre falta alguma coisa para os Bucs embalarem e despontarem entre as melhores franquias da liga. Talento não falta para o time, pois há boas peças em todos os setores do campo, mas falta lapidar melhor as habilidades dos jovens atletas que chegam à Tampa.

Para 2018, os Buccaneers investiram fortemente em sua linha defensiva. Pelo menos quatro defensive linemen de destaque chegaram via free agency, além da primeira escolha da equipe do Draft ter sido destinada ao setor. A defesa, realmente, não é a principal preocupação do head coach Dirk Koetter. Fazer o ataque andar, principalmente no jogo terrestre, é a missão dos treinadores nesta temporada.

Claro que essas projeções deverão ser revistas após o retorno de Jameis Winston na Semana 4. O quarterback, que vai para seu quarto ano como profissional, foi suspenso dos três primeiros jogos por violação da política de conduta pessoal da NFL – acusado de assédio sexual. Enquanto o camisa 3 estiver fora, Ryan Fitzpatrick será o signal caller dos Bucs. Algo que causa muita desconfiança nos torcedores, visto que ele nunca teve uma carreira de destaque e é campeão em lançar interceptações.

A temporada não será nada fácil para os Buccaneers. Será necessária paciência para que os jovens possam se desenvolver, mas é a hora de Winston fazer valer a pena a primeira escolha geral em 2015. Ele já totaliza 11.636 jardas aéreas, 69 touchdowns marcados e 44 interceptações lançadas na carreira. Entretanto, segue tendo a desconfiança por não levar sua franquia a lugar nenhum.

Principais chegadas: a participação dos Bucs na free agency foi focada em jogadores de linha, principalmente defensiva. O DE Jason Pierre-Paul chegou via troca com o New York Giants, enquanto Vinny Curry e Beau Allen, DLs campeões do último Super Bowl com o Philadelphia Eagles, chegaram com contratos de três anos.

O center Ryan Jansen deixou os Ravens para atuar em Tampa em 2018 e ajudar no jogo terrestre. Já no Draft, as principais escolhas foram o DT Vita Vea (Washington) e o RB Ronald Jones II (USC), além dos defensive backs M.J. Stewart (North Carolina) e Carlton Davis (Auburn). Considerados bons nomes e com bastante potencial, porém, eles precisam ser bem lapidados.

Principais saídas: a maioria das chegadas foi na linha defensiva, pois as saídas se deram no mesmo setor. O DE Robert Ayers foi dispensado pelos Bucs, enquanto os DTs Clinton McDonald e Chris Baker foram para o Denver Broncos e Cincinnati Bengals, respectivamente, na free agency.

No ataque, a principal saída foi do running back Doug Martin, o qual esteve durante seis temporadas nos Buccaneers. Entretanto, acabou sendo dispensado e agora está no elenco do Oakland Raiders.

Ponto forte: a linha defensiva do Tampa Bay Buccaneers há um bom tempo vem tendo bons nomes e desempenhos aceitáveis. Na última temporada por exemplo, a defesa computou 22 sacks, sendo a maioria realizado pelos DLs. Apesar de terem perdido Ayers (2 sacks), McDonald (5 sacks) e Baker (0.5 sack), os Bucs reforçaram bem o setor com Pierre-Paul (8.5 sacks), Curry (3 sacks) e Allen (1 sack). Além do novato Vita Vea, o qual teve em três anos de carreira universitária em Washington 9.5 sacks.

Ponto fraco: se no jogo aéreo eles contam com nomes como Mike Evans, DeSean Jackson e O.J. Howard, o jogo corrido dos Buccaneers é algo preocupante para temporada. Não por falta de talento entre os running backs, mas a ineficácia nos bloqueios por parte dos jogadores de linha ofensiva e recebedores. Em 2017, nenhum corredor ultrapassou a marca das 500 jardas terrestres, sendo Peyton Barber o melhor com 3,9 jardas por tentativa. Doug Martin, que era o antigo titular, foi dispensado no início do ano e não fará muita falta. Barber assumirá o posto de principal running back, porém, terá a sombra do calouro Ronald Jones II. Para auxiliar os corredores, os Bucs reforçaram a linha ofensiva com o center Ryan Jensen, e no Draft buscaram o guard/tackle Alex Cappa na quarta rodada.

Ronald Jones II comemora jogo de mais de 100 jardas na vitória de USC sobre UCLACalouro para ficar de olho: Ronald Jones II (running back) –Apesar de não ter sido a primeira escolha dos Bucs no Draft, Jones II é o novato com mais potencial. O running back vindo de USC conseguiu em seus três anos no Colllege Fottball 3.619 jardas terrestres e 39 touchdowns. É um exímio corredor, com bastante explosão e força física, porém, precisa mostrar mais versatilidade, principalmente recebendo passes. Nas três temporadas em USC foram 32 recepções, para 302 jardas e três touchdowns aéreos. Jones II pode em pouco tempo assumir a titularidade dos Buccaneers e facilitar a vida de Winston na hora de passar a bola.

Técnico: Dirk Koetter (2016) – histórico: 14-18

Campanha em 2017: 5-11

Projeção para 2018: 3-13

Briga por: escolha alta no Draft 2019

TABELA 2018

Semana 1: Saints (fora)
Semana 2: Eagles (casa)
Semana 3: Steelers (casa)
Semana 4: Bears (fora)
Semana 5: bye week
Semana 6: Falcons (fora)
Semana 7: Browns (casa)
Semana 8: Bengals (fora)
Semana 9: Panthers (fora)
Semana 10: Redskins (casa)
Semana 11: Giants (fora)
Semana 12: 49ers (casa)
Semana 13: Panthers (casa)
Semana 14: Saints (casa)
Semana 15: Ravens (fora)
Semana 16: Cowboys (fora)
Semana 17: Falcons (casa)

POWER RANKING THE PLAYOFFS

Tampa Bay Buccaneers: posição 30
Melhor nota: 7 / Pior nota: 5,5

>> A posição de cada time no Power Ranking do The Playoffs foi definida por um comitê do site que conta com Fabio Garcia, Fernando Ferreira, Gabriel Mandel, Luis Felipe Saccini e Ricardo Pilat. Os cinco deram notas para as equipes levando em conta a força dos elencos em geral e a perspectiva delas neste momento. A partir da média, listamos as franquias neste ranking de 1 a 32. Semanalmente, a lista será atualizada de acordo com o desempenho dos times em campo durante a temporada regular.

IMPORTANTE: não necessariamente o responsável por esta prévia concorda com a posição da equipe em questão no ranking, colocando, assim, seu ponto de vista particular nesta análise.

(Foto 1: Brian Blanco/Getty Images)

(Foto 2: Reprodução Twitter/Tampa Bay Buccaneers)

(Foto 3: Reprodução Twitter/USC Trojans)

Oddsshark