20/06/2019 - 13h02

O polêmico código de vestimenta da NBA

Qualquer pessoa contratada por times da liga de basquete norte-americano precisa seguir algumas regras específicas

Atletas, técnicos e árbitros precisam seguir um rígido código de vestimenta para atuar na NBA (National Basketball Association), a principal liga de basquetebol profissional da América do Norte. Existem regras que devem ser cumpridas por eles dentro e fora das quadras.

(Foto: Divulgação/NBC Olympics)

Fora das quadras

Criado em 2005 pelo então comissário da NBA, David Stern, com objetivo de mudar a imagem negativa da liga, principalmente de seus atletas, e reforçar o profissionalismo do esporte, o código de vestimenta define as roupas que devem ser usadas em todos os eventos da NBA, como pré-jogos, entrevistas coletivas ou eventos da liga.

Os jogadores são proibidos de usar regatas, bermudas, camisetas, camisas de times e acessórios esportivos, com exceção do que for previamente aprovado pela direção do time. Também é proibido o uso de acessórios para a cabeça, como bandanas, gorros e bonés, correntes, pingentes, medalhões, óculos escuros em locais fechados e fones de ouvido. Tudo isso, pode ser conferido no site oficial da NBA.

Um dos eventos que desencadeou a criação do código ocorreu durante as Olimpíadas de 2004. Na ocasião, o então treinador da seleção norte-americana, Larry Brown, afirmou que se sentiu envergonhado durante um jantar na cidade de Belgrado, na Sérvia. Segundo ele, enquanto os atletas da seleção Sérvia se vestiam com os mesmos uniformes e jaquetas padrões, os atletas dos Estados Unidos estavam com roupas de treino, jeans enormes, brincos de diamantes cintilantes e correntes de platina.

Em entrevista para o New York Times, Stern, comissário da NBA até 2014, afirmou: “Nós percebemos que a reputação de nossos atletas não era tão boa quanto eles são e poderíamos fazer pequenas coisas para melhorar”. Em outra entrevista, desta vez para o jornal The Boston Globe, ele explicou os motivos para a criação do código de vestimenta. “É uma pequena coisa que contribui para o aumento do profissionalismo da liga. É o que o trabalho implica”.

As mudanças não foram bem recebidas pelos atletas e as principais críticas apresentadas eram no sentido de que o código de vestimenta era racista e tentava coibir atletas negros que adotavam o estilo “Hip Hop”.

Jason Richardson, que na época era ala-armador do Golden State Warriors, disse à época que a medida tirou a liberdade de expressão dos jogadores e criticou fortemente a medida. “Você pode ser um PhD e usar calças largas e ao mesmo tempo ser um criminoso vestindo um terno. Sua roupa não muda seu caráter”.

*Acima, o antes e o depois da adoção do código de vestimenta

Porém, nem todos criticaram o código. LeBron James, na época ala do time Cleveland Cavaliers e indo para a sua terceira temporada na NBA, não viu problema. “Às vezes você não quer colocar as roupas adequadas, mas isso é um trabalho. A gente se diverte muito jogando basquete, mas isso é um trabalho e nós devemos nos vestir como se estivéssemos trabalhando”.

Dentro das quadras

Como é de se imaginar, dentro das quadras de um jogo da NBA também prevalecem regras e proibições extremamente rígidas. A lista de proibições engloba itens que vão desde modelos de tênis esportivo a botas “estilo Timberland”.

Brincos, correntes, anéis e pulseiras são itens que têm sua utilização proibida em quadra. Estas são medidas adotadas para preservar a saúde e integridade dos atletas.

Kinesio Tape, fitas adesivas usadas para tratar de lesões e dores que são muito utilizadas no meio esportivo, principalmente por jogadores de vôlei, futebol e handebol, são vetadas na NBA, evitando assim que alguns jogadores levem vantagem no tratamento de lesões.

Durante a partida não são só os atletas que têm itens proibidos. Torcedores que forem assistir à partida também devem ficar atentos. É proibido entrar nas arenas com roupas que contenham ofensas aos jogadores.

Histórico

Nada impede que essas normas sejam modificadas e a história nos mostra isso. Alguns itens já foram motivo para muito polêmica e tiveram sua proibição revista. Por exemplo, os tênis esportivos para basquete feitos pela marca Air Jordan, hoje entre mais populares do mundo, e com assinatura do ex-jogador Michael Jordan, foram proibidos dentro das quadras desde o ano em que foram lançados, 1984.

O motivo foi as cores utilizadas nele. Na época, as regras da NBA só permitiam tênis nas cores preta e branca, e os tênis da Air Jordan eram nas cores vermelho e preto, em referência ao Chicago Bulls, onde Michael jogava. Depois de muita discussão, a liga acabou revendo suas regras para calçados e liberando qualquer cor para o tênis dos jogadores.

As headbands, um dos itens mais populares entre fãs e jogadores de basquete, também já causaram polêmicas e foram proibidas nas quadras da NBA. Hoje elas são permitidas, mas só podem ser utilizadas as que possuem a marca da própria Liga, e sempre com a logo virada para cima, podendo causar multas para os atletas que usarem de maneira incorreta.

*Texto de parceiro. O conteúdo não reflete necessariamente às opiniões do portal The Playoffs.

Oddsshark