The Playoffs

13/01/2018 - 16h50

Etapa do processo de arbitragem gera ‘boom’ de renovações na MLB

Após troca de ofertas, estrelas como Dallas Keuchel, Jose Abreu e Charlie Blackmon acertam novos contratos

Dallas Keuchel dá show e Astros vencem Yankees por 2 a 0A sexta-feira (12) foi um dia importante na inter-temporada da Major League Baseball. Jogadores que estão aptos a participar do processo de arbitragem finalmente apresentaram às franquias suas pedidas salariais para 2018, recebendo dos times o valor que estão dispostos a pagar. Com as cartas na mesa, diversos negócios foram fechados, muitos deles envolvendo jogadores importantes. Por outro lado, muitos atletas seguem sem renovar contrato.

A arbitragem beneficia jogadores que têm entre três e cinco temporadas completas na MLB (também inclui uma pequena parcela da classe que tem dois anos de experiência) e que não renovaram contratos até o momento: por três anos, esses jogadores podem renegociar seus salários anualmente. Tanto o atleta como a franquia apresentam um número e, caso não cheguem a um acordo, um painel de três árbitros determina qual dos números será adotado.

Com os números expostos, as negociações ganharam força. Nomes importantes estão incluídos no processo deste ano, e três destacaram-se: Josh Donaldson, terceira base do Toronto Blue Jays, conseguiu o maior acordo já registrado para um atleta em período de arbitragem, Kris Bryant e o Chicago Cubs também definiram o salário do 3ª base para a próxima temporada e, em sua última experiência antes de tornar-se agente livre, Manny Machado evitou problemas com o Baltimore Orioles.

Principal nome da rotação do Houston Astros durante a última temporada, e um dos heróis da primeira World Series da franquia, Dallas Keuchel foi outro que evitou o desgaste da audiência, fechando contrato por US$ 13,2 milhões. No entanto, três importantes jogadores seguem sem acordo com o time da Divisão Oeste da Liga Americana: o outfielder George Springer, o closer Ken Giles e o arremessador titular Collin McHugh.

Os Orioles também acertaram-se com dois de seus principais relievers: Zach Britton (que passará boa parte da temporada da MLB na lista de contundidos) viu seu salário saltar de US$ 11,4 milhões para US$ 12 milhões, enquanto Brad Brach, que pode substituir Britton como closer, receberá US$ 5.165 milhões. Tim Beckham renovou por US$ 3.35 milhões, e o catcher Caleb Joseph assinou por US$ 1.25 milhões.

Também colocaram tinta no papel o outfielder Charlie Blackmon, que atuará pelo Colorado Rockies em troca de US$ 14 milhões, o infielder Anthony Rendon, que receberá US$ 12,3 milhões do Washington Nationals, e Jose Abreu, primeira base do Chicago White Sox e sob contrato para 2018 por US$ 13 milhões. Entrando na onda dos acordos na MLB, o reliever Brad Hand, uma das moedas de troca mais cobiçadas do San Diego Padres, acertou neste sábado (13) uma renovação mais ampla. Ele abriu mão da arbitragem em 2018 e 2019 e de um ano de free agency (2020), e ganhará US$ 19,75 milhões pelos três anos (há uma opção de renovação por parte da franquia para 2021, cujo valor ainda não foi revelado).

Entre os outros envolvidos que já resolveram a situação na Liga Nacional, aparecem Chad Betts (arremessador, Colorado Rockies, US$ 2 milhões), Joe Panik (2ª base, San Francisco Giants, US$ 3,45 milhões), Freddy Galvis (shortstop, San Diego Padres, US$ 6,825 milhões), A.J. Pollock (outfielder, Arizona Diamondbacks, US$ 7,75 milhões), Jake Lamb (3ª base, Diamondbacks, US$ 4,275 milhões), Alex Wood (arremessador, Los Angeles Dodgers, US$ 6 milhões), Marcell Ozuna (outfielder, St. Louis Cardinals, US$ 9 milhões), Addison Russell (shortstop, Chicago Cubs, US$ 3,2 milhões), Jacob deGrom (arremessador, New York Mets, US$ 7,4 milhões), Noah Syndergaard (arremessador, Mets, US$ 2,975 milhões) e Matt Harvey (arremessador, Mets, US$ 5,625 milhões).

Na Liga Americana, os principais nomes na longa lista de contratos renovados (excluindo os já citados) são Evan Gattis (catcher/DH, Houston Astros, US$ 6,7 milhões), Garrett Richards (arremessador, Los Angeles Angels, US$ 7,3 milhões), Kelvin Herrera (closer, Kansas City Royals, US$ 7,937 milhões), Danny Salazar (arremessador, Cleveland Indians, US$ 5 milhões), Didi Gregorious (shortstop, New York Yankees, US$ 8,25 milhões), Sonny Gray (arremessador, Yankees, US$ 6,5 milhões), Jackie Bradley Jr. (outfielder, Boston Red Sox, US$ 6.1 milhões), Drew Pomeranz (arremessador, Red Sox, US$ 8,5 milhões), Xander Bogaerts (shortstop, Red Sox, US$ 7,05 milhões) e Alex Colome (closer, Tampa Bay Rays, US$ 5,3 milhões).

Por outro lado, muitos casos permanecem abertos e, enquanto algumas negociações prosseguem, há franquias da MLB que adotam uma prática chamada de “file and trial”, ou seja: se não há acordo antes da troca de números, o painel de árbitros definirá o valor do contrato. Os principais nomes ainda sem acordo são Mookie Betts (outfielder, Boston Red Sox), Marcus Stroman (arremessador, Toronto Blue Jays), Trevor Bauer (arremessador, Cleveland Indians), Jake Odorizzi (arremessador, Tampa Bay Rays), Shelby Miller (arremessador, Arizona Diamondbacks), Scooter Gennett (infielder/outfielder, Cincinnati Reds), J.T. Realmuto (catcher, Miami Marlins), Zack Wheeler (arremessador, New York Mets) e Jonathan Schoop (infielder, Baltimore Orioles).

Crédito das imagens: Reprodução/Twitter