The Playoffs

21/04/2017 - 00h45

Colin Kaepernick entra em lista dos mais influentes de 2016 da revista Time

Jogador faz parte da lista por conta dos protestos contra o racismo que liderou durante a temporada da NFL

SEATTLE, WA - JANUARY 19: Quarterback Colin Kaepernick #7 of the San Francisco 49ers runs the ball as cornerback Richard Sherman #25 of the Seattle Seahawks attempts a tackle in the second quarter during the 2014 NFC Championship at CenturyLink Field on January 19, 2014 in Seattle, Washington.O quarterback Colin Kaepernick foi nomeado uma das 100 pessoas mais influentes da revista Time em 2016, pela sua “coragem” de se impor diante das questões sociais no EUA – segundo organizadores.

Kaepernick foi o primeiro jogador da NFL a se ajoelhar para o hino nacional em protesto contra a injustiça social e brutalidade policial na América. Seu comportamento dividiu opiniões e transcendeu o mundo dos esportes. Mesmo com represálias, Colin se manteve firme em seus ideais, um dos motivos que lhe garantiu a nomeação na seção “Icones” na Revista Time.

O quarterback começou seu protesto solitário e aos poucos levou um punhado de outros jogadores a fazer o mesmo durante a temporada de 2016 o que foi um divisor de águas em sua carreira.

Kaep – cujo contínuo desemprego foi atribuído à sua decisão de ajoelhar – continua ajudando causas sociais. O jogador se comprometeu a doar US$ 1 milhão para causas de caridade. Uma de suas doações mais recentes foi um presente de US$ 50.000 para Meals on Wheels. O programa está enfrentando cortes significativos em seu financiamento federal no projeto de orçamento proposto pelo presidente Donald Trump para 2018.

O destino incerto de Kaepernick na NFL provem de uma fática temporada e seu comportamento, que para uns foi visto como falta de respeito e para outros, coragem de se impor diante da sociedade.

O ex-treinador dos San Francisco 49ers Jim Harbaugh, hoje comandante do programa de futebol americano da Universidade de Michigan, fez uma carta sobre Colin Kaepernick à revista.

Leia na íntegra:

“Colin Kaepernick estava sozinho em seus primeiros protestos no ano passado, quando corajosamente enfrentou desigualdades percebidas em nosso sistema de justiça social, recusando-se a defender o hino nacional. Às vezes, na história de nossa nação, fomos muito rápidos em julgar e nos opor a nossos colegas americanos por exercer seu direito à Primeira Emenda de abordar coisas que eles acreditam serem injustas.

Em vez de manchar seu caráter, devemos celebrar seu ato. Pois não podemos ser pioneiros e inventar se tivermos medo de desviar-nos da norma, prejudicando nossa percepção pública ou, o mais importante, prejudicando nossos interesses pessoais.

Agradeço a Colin por tudo o que ele contribuiu para o jogo de futebol americano como um excelente jogador e companheiro de equipe confiável. Aplaudo também Colin pela coragem que demonstrou ao exercer o seu direito garantido à liberdade de expressão. Sua disposição para tomar uma posição a custo pessoal é agora parte de nossa história americana.

Que sorte para todos nós e para nosso país ter entre nossos cidadãos alguém tão notável como Colin Kaepernick.”

 (Foto: Otto Greule Jr/Getty Images)