13/04/2018 - 21h38

[PRÉVIA] 1ª rodada dos playoffs da Conferência Leste da NBA

Veja tudo o que pode acontecer nos quatro primeiros duelos da pós-temporada da Conferência Leste da NBA

Depois de uma temporada regular cheia de surpresas e briga até o último dia para garantir participação na próxima fase, começam neste sábado (13) os playoffs da temporada 2017/2018 da NBA! Oito equipes da Conferência Leste e oito da Conferência Oeste duelam em busca do cobiçado título da liga.

Os confrontos foram decididos nas últimas partidas da temporada e o equilíbrio dos duelos é altíssimo. Logo no primeiro dia de playoffs, o Toronto Raptors recebe o Washington Wizards, enquanto o Philadelphia 76ers volta aos playoffs enfrentando o Miami Heat.

Além de contar com King James e companhia disputando uma vaga nas semifinais contra a surpresa do Indiana Pacers de Victor Oladipo. E por último e talvez o confronto mais imprevisível, o Boston Celtics de Brad Stevens terá que eliminar o Greek Freak Antetokounmpo e o talentoso Milwaukee Bucks.

The Playoffs traz a análise dos primeiros quatro confrontos do Leste e projeta que deverá avançar para a fase de semifinais de conferência. Confira!

(1º) TORONTO RAPTORS X WASHINGTON WIZARDS (8º)

A maior surpresa desta temporada é o Toronto Raptors e a sua campanha implacável, a melhor da história da franquia, que terminou pela primeira vez na liderança da Conferência Leste. Os canadenses foram dominantes do início ao fim e chegaram a anotar 18 vitórias e apenas uma derrota entre fevereiro e março. Com a dupla DeMar DeRozan e Kyle Lowry jogando em altíssimo nível, os Raptors se mostraram completos e contaram com todo o elenco jogando bem durante os 82 jogos da temporada. Mesmo tendo sua dupla na armação como ponto forte, Serge Ibaka e Jonas Valanciunas foram fundamentais para o sucesso do time de Toronto, sendo dominantes no garrafão, dos dois lados da quadra. Outro ponto positivo e importantíssimo para os Raptors foi a experiência de Dwane Casey, que montou um ótimo esquema e conseguiu vitórias em jogos decisivos.

Os Wizards mais uma vez tiveram momentos em que jogaram como nunca e outros com muita instabilidade. O lado positivo foi a temporada de Bradley Beal, que teve sua melhor marca em rebotes e assistências, além de comandar os Wizards com autoridade na ausência de John Wall, que operou o joelho e voltou a tempo de disputar os playoffs. Além de Beal, que esteve presente em todos os jogos da equipe, Otto Porter Jr. e Markieff Morris foram trunfos da equipe em suas alas, conseguindo controlar bem a posse de bola e sendo fundamentais na organização dos Wizards, que mostraram um poderio ofensivo em grupo como poucas equipes nesta temporada. O oitavo lugar não representa a qualidade desta equipe, que passou boa parte entre os cinco primeiros colocados. Porém, a equipe sofreu duras derrotas durante os jogos que antecedem estes confrontos contra os líderes do Leste.

Um fato interessante deste confronto é que John Wall ainda não enfrentou os Raptors nesta temporada, estando ausente nas duas vitórias e nas duas derrotas de sua equipe frente aos canadenses. Os Wizards conseguiram impedir os adversários de serem fortes nas segundas chances e tinham uma forte defesa perto do garrafão, inibindo o ataque dos Raptors. Enquanto isso, os líderes do Leste foram soberanos no perímetro, tendo um ótimo aproveitamento de arremessos e errando muito pouco em quadra. O diferencial dos Raptors é a organização em quadra, o que auxilia a equipe a errar pouco, porém, os Wizards têm um poderio ofensivo gigantesco e a equipe chega aos playoffs com fortes jogadores de três pontos e um garrafão atlético e inteligente.

Palpite Tainá: Toronto Raptors 4 x 2 Washington Wizards

Palpite equipe The Playoffs: Toronto Raptors 4 x 1 Washington Wizards

Foto: Twitter/Washington Wizards

(2º) BOSTON CELTICS X MILWAUKEE BUCKS (7º)

O Boston Celtics emplacou 16 vitórias seguidas no início da temporada e era tido como favorito nas finais da NBA pelo lado Leste, porém as lesões acabaram prejudicando a equipe em alguns momentos. Todos os desfalques mostraram a flexibilidade e o conhecimento de Brad Stevens, que usou uma boa rotação de jogadores e bons resultados, garantindo um merecido segundo lugar. Além de contar com ótimos titulares, Stevens conseguiu encaixar os reservas de sua equipe, que vem se destacando na temporada inteira. A ausência de Kyrie Irving é a grande questão em cima do Boston Celtics de Brad Stevens. Mesmo com o ótimo momento de Terry Rozier e Jaylen Brown, a armação dos verdes de Boston e o poderio ofensivo perdem sem seu maior astro. Outro ponto chave da equipe é a versatilidade de Al Horford, líder dentro das quadras, tanto no ataque como na defesa.

Um dos times com mais expectativas no início da temporada, os Bucks venceram justamente os Celtics em sua estreia. Ainda no início da temporada, Eric Bledsoe se juntou à equipe de Milwaukee, elevando o nível do elenco. A equipe passou por altos e baixos durante a temporada, o que custou o emprego do técnico Jason Kidd. Mesmo estando irregular, a equipe contou com o melhor momento da carreira de Giannis Antetokounmpo, que segue sendo líder dos Bucks, ao lado de Bledsoe, Malcom Brogdon e Khris Middleton. O grego é o único jogador ao lado de Russell Westbrook a ter médias de pelo menos 25 pontos, dez rebotes e quatro assistências nesta temporada. A equipe mostrou força próximo ao garrafão, seja ofensivamente ou defensivamente, destacando a ótima temporada do pivô John Henson, titular absoluto após muitas dúvidas sobre o pivô ideal para a equipe, que trocou Greg Monroe por Bledsoe.

As equipes tiveram confrontos equilibrados do início ao fim, com cada uma vencendo em duas oportunidades. O grande diferencial dos Celtics foi limitar o ataque dos Bucks a jogar perto da cesta, forçando bolas do perímetro e caindo o rendimento de alguns jogadores. Mesmo sendo envolvida pela defesa dos Celtics, o time de Milwaukee mostrou um jogo forte coletivamente em suas partidas, contando com boas pontuações de muitos jogadores e sendo decisiva em roubos e tocos. Um grande ponto deste confronto é que os Celtics se mostraram muito mais time durante o primeiro tempo, enquanto os Bucks explodiam nos períodos decisivos. As equipes precisam ser cirúrgicas durante todas as partidas.

Palpite Tainá: Boston Celtics 3 x 4 Milwaukee Bucks

Palpite equipe The Playoffs: Boston Celtics 4 x 2 Milwaukee Bucks

Foto: Twitter/Milwaukee Bucks

(3º) PHILADELPHIA 76ERS X MIAMI HEAT (6º)

Em partida emocionante, Wade decide no fim e Heat vence Sixers na Flórida

Os 76ers quebraram o recorde de sequência de vitórias nos últimos jogos da temporada (16), e a equipe é tida como uma das favoritas a estar nas finais do Leste. A dupla Ben Simmons e Joel Embiid foi se desenvolvendo ao longo da temporada e mostrou uma qualidade ofensiva da qual os 76ers não tinham desde a época de Allen Iverson. A equipe, que três temporadas atrás venceu apenas dez jogos, chegou ao terceiro lugar da conferência com 52 vitórias. Além da promissora dupla, Dario Saric e Robert Covington foram máquinas ofensivas durante a temporada regular, e mostram que os Sixers não são um time de apenas dois jogadores. O quinteto titular da equipe é o melhor da NBA em aproveitamento ofensivo nesta temporada. Com toda a animação e sequência de vitórias, a atual primeira escolha do Draft, Markelle Fultz, se tornou o jogador mais jovem a anotar um triplo-duplo na NBA, números atingidos no último jogo da equipe na temporada. Parece que o “processo” está se tornando realidade.

Uma das equipes mais subestimadas da NBA, o Miami Heat mostrou um lindo basquete durante a temporada, vencendo os melhores times da temporada e estando próximo de conseguir o mando de quadra durante os playoffs. A defesa do Heat foi o diferencial da equipe, que é a quarta em toda a liga em ceder menos pontos aos adversários. No ataque, o time de Miami tinha Hassan Whiteside soberano no garrafão, porém, lesões tiraram o pivô de muitos jogos da equipe, que optou por um novo estilo. Com todo conhecimento de Erik Spoelstra, o Heat se tornou uma máquina de três pontos e com alta organização. Os reservas apareceram muito bem, com Wayne Ellington batendo o recorde de cestas convertias do perímetro por um reserva na NBA. Ao fim da deadline de fevereiro a equipe ainda contou com a adição do ídolo Dwayne Wade ao elenco, que voltou para Miami em busca dos playoffs e jogou em alto nível durante os últimos jogos da equipe. Sem contar com todo o talento de Goran Dragic, coração deste Heat que conta com o trunfo de armadores habilidosos, com Josh Richardson e Tyler Johnson sendo peças chaves para Spoesltra.

Os confrontos entre as equipes foram tão equilibrados que a maior diferença entre os elas foi de nove pontos em uma vitória do Heat. As outras partidas foram decididas no detalhe e por duas posses de bola. O duelo entre Embiid e Whiteside mostrará todo o poder de garrafão que as equipes tem, em ambos os lados da quadra. Os estilos são parecidos e os armadores é quem ditarão o ritmo da partida, com jogadas de velocidade e muitos arremessos do perímetro. Ambas as defesas conseguiram trabalhar bem durante as quatro partidas em que disputaram, limitando o ataque dos adversários, onde as equipes tiveram baixo aproveitamento. Com dois elencos equilibrados e com um QI de basquete alto, as partidas serão dinâmicas e muito disputadas.

Palpite Tainá: Philadelphia 76ers 4 x 1 Miami Heat

Palpite equipe The Playoffs: Philadelphia 76ers 4 x 1 Miami Heat

Foto: Divulgação/NBA

(4º) CLEVELAND CAVALIERS X INDIANA PACERS (5º)

INDIANAPOLIS, IN - DECEMBER 08: Victor Oladipo #4 of the Indiana Pacers shoots the ball against the Cleveland Cavaliers at Bankers Life Fieldhouse on December 8, 2017 in Indianapolis, Indiana

Quem diria que o Indiana Pacers estaria nos playoffs e tivesse chances reais na Conferência Leste?!. No início da temporada as expectativas colocadas nos Pacers eram de que a equipe tentaria se reconstruir aos poucos após a saída de Paul George. Porém, as chegadas de Victor Oladipo e Domantas Sabonis foram cirúrgicas para o novo time de Indiana, que contou também com Darren Collison e os aspirantes Thaddeus Young e Myles Turner.  O time de Indianapolis venceu com autoridade Warriors e Spurs duas vezes e teve uma ótima campanha no mês de março, vencendo 12 partidas e perdendo apenas 4, números que classificaram a equipe para os playoffs duas semanas antes do fim da temporada regular. O ponto chave da equipe é o alto aproveitamento em arremessos, inclusive no perímetro, onde Bojan Bogdanovic comanda a equipe ao lado de Oladipo, candidato forte ao prêmio de MIP (Most Improved Player).

Os Cavaliers estão prontos para os playoffs e buscam o 4º título seguido da Conferência Leste e o 2º da história da franquia na NBA. Está mais que claro que LeBron James fez uma de suas melhores temporadas, quiçá a melhor, e é quem mais pode tirar o título de MVP da temporada de James Harden. Após um início de altos e baixos, os Cavs tiveram uma sequência de 13 vitórias seguidas em novembro e um ótimo mês de dezembro. Porém, alguns jogadores não mostravam bons desempenhos em quadra, como Isaiah Thomas, que voltou de lesão em janeiro e até a deadline recebeu duras críticas, além de ser um dos pontos chave para uma suposta ‘crise interna’ nos vestiários. Quando duas trocas trouxeram Rodney Hood, Larry Nance Jr. e Jordan Clarkson aos Cavs, a equipe se tornou mais rápida e atlética, com uma defesa organizada após a saída de IT. O bom momento de Kevin Love e a singularidade de LeBron James são o coração deste Cleveland, que conta com ótimos jogadores de apoio rumo às Finais da NBA.

Os Pacers venceram três confrontos contra os Cavaliers nesta temporada, sendo derrotados em uma ocasião pelo time de Cleveland. King James e sua equipe venceram 11 vezes e perderam três nas últimas partidas da temporada regular, mas derrotas para Wizards e Heat mostram que a equipe ainda tem apagões e precisa ficar ligada na defesa. Os Pacers tiveram vitórias soberanas em cima de Warriors, Clippers e uma dura prorrogação contra o Heat. A equipe de Indianapolis precisa mais do que nunca de seus pontuadores e toda a organização defensiva que mostrou durante a temporada regular. Indiana não chegou ao 5º lugar do Leste à toa e deve dar trabalho aos Cavs, que são favoritos no confronto por alguns detalhes e individualidade.

O diferencial de Indy para superar os Cavs foram as cestas do perímetro, em que a equipe foi superior em todos os jogos da temporada. Os Cavaliers, por sua vez, tiveram um rendimento baixíssimo de arremessos, principalmente do perímetro. Os pontuadores precisam estar com a mão quente, enquanto os Pacers precisam reforçar sua defesa para passarem pelos atuais vice-campeões da NBA.

Palpite Tainá: Cleveland Cavaliers 4 x 2 Indiana Pacers

Palpite equipe The Playoffs: Cleveland Cavaliers 4 x 1 Indiana Pacers

Foto: Divulgação/Indiana Pacers

*Participaram dos palpites da equipe The Playoffs: Ricardo Pilat, João Bortolucci, Gabriel Diodato, Guilherme Silva, Ronaldo Bento, Lucas Tapajós, Jorge de Sousa, Helder Rivas, Pedro Moreira, Ederson Fernandes, Bruno Todaro, Rafael Gomes, Renan Dourado.

Oddsshark