04/09/2016 - 10h00

[ENTENDA O JOGO] Conheça as tradicionais posições dos jogadores no basquete

Para os iniciantes no esporte da bola laranja, confiram as posições dos jogadores em quadra e suas principais funções

Disputado por cinco jogadores de cada lado, o basquete possui posições bem definidas em quadra. Se atualmente um basquete de “funções” esteja em maior evidência, com os jogadores desempenhando diferentes competências ao longo de um mesmo jogo e ao longo de um torneio inteiro, o início de cada atleta começa com uma primeira responsabilidade principal, encaixando-se em uma das clássicas posições do jogo.

Neste ENTENDA O JOGO, o The Playoffs explicitará as cinco posições em quadra, citando suas principais responsabilidades (sabendo-se das características particulares de cada jogador e seu encaixe dentro do esquema de jogo da equipe), dando exemplos de jogadores clássicos na NBA para ilustrar  a posição. Vamos nessa:

1 – Armador (point guard)

 

Conhecido como jogador da posição 1 ou armador (nos Estados Unidos como point guard), a competência deste jogador é ser o iniciador das jogadas dentro do time, geralmente carregando a bola desde o fundo e fazendo a transição ofensiva da equipe. Logicamente, dentro do esquema de cada equipe, diferentes jogadores, de diferentes posições, podem e devem iniciar as diversas jogadas treinadas.

Caracteristicamente, os armadores são jogadores mais baixos e menos fortes do que os das demais posições, porém são mais habilidosos para controlar a bola, uma vez que lidam com marcação no jogo corrido ao longo de toda partida.

A responsabilidade de pontuar de um armador está estritamente ligada à sua característica de jogo, ao esquema do time, e às características dos demais jogadores em quadra, quase sempre a partir de infiltrações, finalizadas com bandejas e floaters, e arremessos de média e longa distâncias. Armadores mais altos e/ou atléticos, como Russell Westbrook e John Wall, são comuns atualmente e possuem outras armas ofensivas, como o jogo de costas para a cesta. Jogadores com características de armadores e ala-armadores, nos Estados Unidos, recebem a denominação de combo guards.

Nomes gigantes da história do basquete da NBA e mundial foram armadores, como Oscar Robertson, Magic Johnson, Drazen Petrovic e, atualmente, Chris Paul, Stephen Curry, Damian Lillard entre outros.

2 – Ala-armador (shooting guard)

 

O jogador da posição 2, ou ala-armador, nos Estados Unidos é conhecido como shooting guard, o que explica bastante sua postura em quadra. O ala-armador é responsável por auxiliar o armador nas saídas de bola, podendo muitas vezes substituí-lo nesta função, em caso de marcação avançada da equipe rival, mas também tem a função de pontuar, na maioria dos casos.

Normalmente, um ala-armador possui maior capacidade física do que um armador, por comumente ter que enfrentar marcadores maiores em trocas, porém possui habilidade similar, haja vista seu contato frequente com a bola no jogo corrido.

Os arsenais defensivos e ofensivos de um jogador desta posição devem ser dos maiores dentro de um time e geralmente o é. Ofensivamente, um ala-armador deve ter todas as armas possíveis, desde um arremesso longo até um gancho perto da cesta, já que ao longo de um jogo enfrenta todo o tipo de marcação. Devido às constantes trocas defensivas, o jogador desta posição também deve estar preparado para dificultar a vida de qualquer tipo de atacante.

Coincidentemente (ou não), dois dos melhores jogadores de todos os tempos eram ala-armadores: Michael Jordan e Kobe Bryant. Atuante, mas em fim de carreira, Dwyane Wade também é um dos maiores ala-armadores de todos os tempos.

3 – Ala (small forward)

 

Jogando na posição 3, um ala é o jogador que mais se aproxima dos dois extremos das posições do basquete, sendo rápido e habilidoso, aproximando-se dos armadores, além de alto e forte, ficando mais perto dos pivôs. Exatamente por essas condições, atualmente, os alas desempenham as demais funções em quadra com assiduidade.

LeBron James e Kawhi Leonard são os melhores exemplos disso na NBA atual. Constantemente são vistos fazendo a transição ofensiva de seus times e terminando o mesmo ataque em uma jogada de costas para a cesta, finalizada com um gancho ou um fade away. Defensivamente, um ala pode ser capaz de marcar qualquer jogador. Pode ser colocado para cansar um armador, devido à sua imposição física, ao mesmo tempo em que consegue atrapalhar a vida de um pivô em uma eventual troca.

Além dos exemplos citados, da NBA atual temos Kevin Durant e Carmelo Anthony, além de jogadores históricos como Larry Bird, Julius Erving e Scottie Pippen.

4 – Ala-pivô (power forward)

 

Entrando no garrafão, o ala-pivô é o jogador mais móvel jogando embaixo da cesta. Na posição 4, a responsabilidade do jogador vai muito além de finalizar uma jogada perto da cesta, passa por realizar bloqueios de modo eficiente, passar a bola com precisão, arremessar de meia distância, além de sair do garrafão para, eventualmente, arriscar uma bola de três.

Aliás, versatilidade é a palavra de ordem para um ala-pivô nos dias de hoje e saber jogar fora do garrafão não é mais algo que torne um jogador da posição 4 tão especial assim. Além de pegar rebotes constantemente, o ala-pivô tem se especializado em dar aquele último passe facilitador, arremessar de fora e até cortar em direção à cesta, aumentando em muito sua gama de ataques. Jogadores como Blake Griffin, Kevin Love e Pau Gasol apresentam tais características e se destacam dentro da NBA, dando sempre aquele algo a mais com enterradas vigorosas.

Dentro de jogadores de grande reconhecimento na liga, muitos foram ou ainda são alas-pivôs, como Tim Duncan, Dirk Nowitzki, Kevin Garnett, Charles Barkley e Karl Malone.

5 – Pivô (center)

 

Caracteristicamente, o jogador mais alto na rotação de uma equipe é aquele que joga na posição 5, como pivô. Defensivamente, o pivô tem papel central na proteção do garrafão de seu time, protegendo investidas dos jogadores do perímetro e marcando homem a homem os jogadores de garrafão adversários. No ataque, um bom jogo de pernas e boas armas de finalização quando de costas para a cesta fazem um jogador desta posição ser uma boa opção ofensiva também.

Atualmente, as armas ofensivas de um pivô extrapolam apenas os arremessos a curta e média distâncias e alguns até se arriscam em chutes de fora, como os irmãos Marc e Pau Gasol (este quando joga de pivô efetivamente). A briga pelo rebote e a distribuição de tocos também são marcas registradas desse jogador, que tem na habilidade de passar um fator diferencial em seu jogo. DeMarcus Cousins, por exemplo, é um bom passador. O ônus de ser um pivô pode vir na linha do lance-livre. Fala aí DeAndre Jordan

Historicamente, excelentes pivô passaram pela liga, como Bill Russell, Wilt Chamberlain, Kareem Abdul-Jabbar e Shaquille O’Neal.

Oddsshark