12/01/2019 - 19h59

A corrida para o prêmio de MVP da NBA 2018/2019 – mês 3

Harden sobe e briga em cima; Antetokounmpo segue e primeiro; veja as novidades do terceiro mês de ranking

MILWAUKEE, WISCONSIN - DECEMBER 29: Tony Snell #21 and Giannis Antetokounmpo #34 of the Milwaukee Bucks walk to the bench during a game against the Brooklyn Nets at Fiserv Forum on December 29, 2018 in Milwaukee, WisconsinMantendo a ordem de atualização de nossa corrida para o prêmio de MVP da temporada 2018/2019 da NBA, seguimos com a terceira atualização hoje (confira a segunda parcial AQUI). E com alguma mudanças significativas, ditadas principalmente pela sequência de ótimas performances de James Harden, que acelerou na corrida e chegou na briga pelo topo.

Lembrando que o levantamento abaixo considera tudo o que vimos na temporada até aqui e faremos a atualização mensal deste ranking, afinal, muita coisa muda de 30 em 30 dias na NBA. Além da minha opinião particular e das estatísticas individuais, levamos em conta os critérios da própria liga para a eleição do jogador mais valioso da temporada, que nem sempre são os mesmos dos fãs.

Confira abaixo a lista após quase três meses da temporada. A próxima sai daqui aproximadamente um mês, em meados de fevereiro.

OBS: as estatísticas abaixo foram registradas até a rodada de 9 de janeiro de 2019.

(Foto: Stacy Revere / Getty Images)

#1 – Giannis Antetokounmpo – Milwaukee Bucks (posição anterior: #1)

Jogos: 38 de 40 possíveis (95%)
Médias: 26,6 pontos (+0,0 ponto), 12,8 rebotes (-0,4 rebote), 6,0 assistências (-0,1 assistência), 1,5 toco (+0,2 toco)

Giannis reflete em números o que consegue fazer em quadra. Teoricamente jogador de perímetro, que tem em suas investidas à cesta a grande força, o grego usa de seu tamanho e agilidade para levar vantagem sobre qualquer marcador, conforme as características do rival. Seus 26,6 pontos de média são top-10 da liga, seus 12,8 rebotes são a melhor entre jogadores de perímetro, e o 1,5 toco por jogo também é primeiro entre não pivôs, sendo top-15 geral.

Líder total do time, ofensiva e defensivamente, Antetokounmpo guiou os Bucks a 10 vitórias nos 12 jogos que fizeram no intervalo desta análise, o que fez com que a franquia chegasse à liderança do Leste. No período, o grego teve sete jogos de pelo menos 30 pontos, incluindo partida de 43+18 em derrota para os rivais Raptors e partida de 27+21 em vitória contra os Rockets.

#2 – Kawhi Leonard – Toronto Raptors (posição anterior: #4)

Jogos: 33 de 43 possíveis (77%)
Médias: 27,3 pontos (+1,1 ponto), 7,8 rebotes (-0,4 rebote), 1,9 roubo (+0,1 roubo)

Para quem duvidava da volta de Kawhi após recuperação de lesão e mudança dos Spurs para os Raptors, os fatos estão na mesa. Toronto fez bem para o ala e o ala fez muito bem para Toronto. Jogando ainda com certa restrição, para não forçar, visto que os Raptors estão razoavelmente tranquilos na briga pelo topo do Leste, Kawhi brilha noite após noite, do seu jeito, dos dois lados da quadra.

Nos 10 jogos em que atuou no período entre análises, Kawhi teve cinco jogos de pelo menos 30 pontos e nenhum abaixo de 20. A série inclui a partida de 45 pontos contra o Utah Jazz, no primeiro dia do ano, em que acertou 72,7% de seus arremessos de quadra e chegou à maior marca de sua carreira em pontuação.

Por incrível que pareça, a equilibrada disputa pela liderança do Leste entre Bucks e Raptors pode ser um fator importante a ser considerado na definição do MVP da temporada, caso Kawhi e Antetokounmpo estiverem na disputa pessoal até o fim.

#3 – Stephen Curry – Golden State Warriors (posição anterior: #3)

Jogos: 30 de 41 possíveis (73%)
Médias: 28,9 pontos (-0,4 ponto), 5,5 assistências (-0,2 assistência) e 5,2 rebotes (+0,0 assistência)

Recuperado de lesão, Curry jogou todos os jogos dos Warriors no período entre as parciais e se manteve como segundo maior cestinha da NBA no momento, empatado com Anthony Davis. No período, foram 28,2 pontos de média, três jogos com pelo menos 30 pontos, sendo um de mais de 40, e sete vitórias nos 11 jogos disputados. Com o auxílio de Durant em pontuação, Curry é o líder técnico ofensivo dos Warriors em quadra e mantém a franquia na caça ao Denver Nuggets, líder do Oeste.

Dos dez maiores pontuadores da temporada, o armador é quem tem o melhor aproveitamento nas bolas de três (44,3%) e nos lances livres (91,3%). Depois de uma segunda parcial em que se destacou na corrida, Steph naturalmente caiu um pouco de produção, mas contou com a falta de jogos de LeBron e com seu histórico de ótimas performances nos meses anteriores para não deixar Harden ultrapassar, permanecendo assim na mesma terceira posição.

#4 – James Harden – Houston Rockets (posição anterior: #9)

Jogos: 37 de 40 possíveis (92%)
Médias: 33,9 pontos (+3,0 pontos), 8,6 assistências (+0,3 assistência), 2,0 roubos (+0,0 roubo)

Harden anota triple-double com 50 pontos, supera LeBron e Rockets vencem os Lakers

Harden viveu uma sequência de jogos extraordinária no período desta terceira parcial da corrida pelo MVP e pulou de nono para quarto colocado, colado e para ultrapassar Curry se manter a toada. Dos 13 jogos que Houston jogou, e Harden esteve em todos, o barba teve sete de mais de 40 pontos, sendo uma sequência surreal de cinco partidas consecutivas com a marca. Não por menos, a média no período é 39,5 pontos por partida, ainda com 9,2 assistências para acompanhar, média maior que a sua da temporada. Houston também subiu como um foguete e junto com Harden teve dez vitórias.

No intervalo, o ala-armador, na ausência de Chris Paul, lesionado, teve dois triple-doubles e também se isolou como cestinha da temporada até aqui, cinco pontos à frente do segundos colocados, Davis e Curry. Contra Harden contam o alto número de desperdícios (média de 5,8 no período) e o alto volume ofensivo concentrado em suas mãos, que pode ruir em algum momento. Atualmente não. Atualmente, o barba está dando show mesmo.

Foto: (Reprodução Twitter / NBA)

#5 – LeBron James – Los Angeles Lakers (posição anterior: #2)

Jogos: 34 de 42 possíveis (81%)
Médias: 27,3 pontos (-0,9 ponto), 8,3 rebotes (+0,5 rebote), 7,1 assistências (+0,0 assistência), 1,3 roubo (+0,0 roubo)

A maior queda do ranking atual é a de LeBron James. Primeiro concorrente de Antetokounmpo em nossa última parcial, o astro sofreu com a lesão em sua virilha na partida de Natal contra o Golden State Warriors e atuou em apenas seis partidas no intervalo avaliado da atual parcial. Sem LeBron, os Lakers têm 3-5, com o astro a campanha é de 20-14. O ala continuou péssimo da linha dos três nesta pequena amostragem de dezembro, mas muito presente no garrafão, acumulando dois triples-doubles nesses seis duelos.

Nos seis encontros em que esteve presente, LeBron teve cinco jogos de pelo menos 12 rebotes e um de mais de 35 pontos, somando, além dos dois TDs, mais três double-doubles. Na acirrada disputa pela primeira posição da corrida, ficar os oito jogos fora que James ficou tem um peso enorme a esta altura. O ala teve que ver a incrível ascensão e a ultrapassagem de Harden de terno e gravata.

#6 – Anthony Davis – New Orleans Pelicans (posição anterior: #6)

Jogos: 37 de 42 possíveis (88%)
Médias: 28,9 pontos (+0,8 ponto), 13,2 rebotes (+0,8 rebote), 2,7 tocos (-0,1 toco), 1,8 roubo (+0,1 roubo)

Como o exército de um homem só, os Pelicans seguem na briga por um lugar nos disputados playoffs do Oeste. E este homem só atende pelo nome de Anthony Davis. O ala-pivô é o segundo maior cestinha da temporada, com 28,9 pontos de média, empatado com Curry, o quinto maior reboteiro da liga até aqui, com 13,2 por jogo, e o segundo maior em número de tocos. Em termos de jogador de garrafão, AD é o mais completo da liga há mais de uma temporada e vem confirmando em números. O problema é o elenco, que só tem em Jrue Holiday um ajudante de peso.

No período da atual análise, Davis foi ainda mais dominante. As marcas do astro, em 11 jogos, chegaram a 30,9 pontos de média e incríveis 15,3 rebotes, as quais não foram suficientes para deixar os Pelicans com campanha positiva neste espaço (4-7). Os Pelicans seguem na briga pelos playoffs e se Davis conseguir colocar o time lá, suas chances aumentam bastante. Fora dos offs é praticamente impossível para o “monocelha” cogitar.

#7 – Joel Embiid – Philadelphia 76ers (posição anterior: #7)

Jogos: 40 de 42 possíveis (95%)
Médias: 26,9 pontos (-0,1 ponto) , 13,5 rebotes (-0,1 rebote), 1,9 toco (+0,0 toco)

Assim como Davis, Embiid é uma força de garrafão dos dois lados da quadra e é o maior responsável pela notável campanha dos 76ers, que briga por mando de quadra nos playoffs do Leste. Depois de reclamar da falta de jogadas ofensivas para si após a chegada de Jimmy Butler, o pivô camaronês se reencontrou e voltou à forma do início do campeonato, com desempenhos que chegam próximos à sua média da temporada.

Dos 11 jogos disputados pelos Sixers no período da análise, Embiid anotou 10 double-doubles e liderou a equipe a oito triunfos. Em toda a temporada foram apenas quatro partidas em que o camaronês falhou em agarrar pelo menos 10 rebotes, e nenhuma em que teve menos do que 10 pontos, ou seja, 36 double-doubles de 40 possíveis para o pivô. Nada mal.

#8 – Paul George – Oklahoma City Thunder (posição anterior: #8)

Jogos: 39 de 40 possíveis (97%)
Médias: 26,8 pontos (+1,9 ponto), 8,0 rebotes (+0,2 rebote), 2,2 roubos (+0,1 roubo)

Paul George vem evoluindo seu jogo com o passar das semanas e hoje se coloca como grande jogador do Thunder, rivalizando com Russell Westbrook, mas entendo que à frente do armador nesta posição de liderança ofensiva, pois tem tido boas decisões e boa mão nos momentos decisivos. Seus 26,8 pontos de média na temporada vêm com bons 38,4% de acertos nas bolas de fora, liderando OKC na perseguição a Warriors e Nuggets.

No período desta parcial, PG engatou a segunda maior média de pontos de toda a liga, com 31,8 pontos por jogo, atrás apenas dos surreais 39,5 pontos de Harden. Foram sete dos 12 jogos disputados com 30 ou mais pontos e nenhuma performance abaixo de 20 pontos, mas mesmo com essas ótimas partida do ala, OKC saiu-se com 7-5 no intervalo. Se seguir com este gás e ajudando o Thunder em uma boa campanha, George pode chegar e brigar em cima ao fim da corrida.

#9 – Kevin Durant – Golden State Warriors (posição anterior: #5)

Jogos: 41 de 41 possíveis (100%)
Médias: 28,4 pontos (-0,6 ponto), 7,4 rebotes (-0,3 rebote), 6,1 assistências (-0,1 assistência)

Presente em todos os jogos dos Warriors e responsável por manter o time competitivo nas ocasionais ausências de Curry, Durant teve leva queda de produção com a volta do armador, caindo de terceiro para quarto cestinha da temporada e agora observando Kawhi pelo retrovisor. A estagnação de KD e a subida dos demais concorrentes puseram o ala de Golden State ladeira abaixo na corrida pelo prêmio de MVP.

No período entre a segunda e terceira parciais, as médias de Durant foram inferiores às suas na temporada até aqui, inclusivo o aproveitamento nos arremessos de quadra. Ofuscado por Curry dentro dos Warriors, o ala tem que ser protagonista em termos de pontuação dentro do time para poder ter melhor lugar ao sol na briga.

#10 – Nikola Jokic – Denver Nuggets (posição anterior: #10)

Jogos: 39 de 39 possíveis (100%)
Médias: 19,2 pontos (+1,8 ponto), 10,1 rebotes (+0,1 rebote), 7,5 assistências (-0,1 assistência)

Melhor jogador do melhor time e líder da conferência mais difícil da liga e em décimo lugar apenas? Infelizmente, sim. Europeu, em um mercado pouquíssimo badalado como o do Colorado e dentro de um sistema de jogo que utiliza mais peças como protagonistas (diferente de Antetokounmpo), Jokic não deve entrar forte na briga pelo posto de melhor jogador da temporada regular. Em quadra, ele é o melhor pivô passador da liga e orquestra o ataque dos Nuggets, que seguem como líderes do Oeste e com presença praticamente garantida como mandantes nos offs. Pesa contra o gigante suas deficiências defensivas.

O sérvio tem grande solidez, com médias próximas a um triple-double e em quase qualquer recorte que fizermos de sua temporada. Especialmente neste intervalo analisado, de um mês para outro de nossa corrida, Jokic teve um desempenho melhor em relação à sua temporada. Foram 23,8 pontos de média, 10,5 rebotes, 7,3 assistências e 39,5% de conversão nos arremessos de fora, números dignos de um postulante a melhor jogador da temporada. Jokic merece muito estar na conversa.

(Foto: Reprodução Twitter / NBA)

Menções honrosas (nomes que podem integrar os próximos rankings)

Russell Westbrook – Oklahoma City Thunder
Damian Lillard – Portland Trail Blazers
Blake Griffin – Detroit Pistons
Tobias Harris – Los Angeles Clippers

Oddsshark